Dobrou a Amizade: Calçada e iluminada, rua no Genipapo reestruturada traz novas rotinas à comunidade

0
616
Visualizações

Uma prosa com o vizinho ao fim do dia, ou mesmo caminhar pela via depois de uma chuva leve. Em meio à escuridão e constantes alagamentos,  essas atividades eram bastante difíceis para os moradores da antiga Rua da Caixa d’Água, no povoado de Genipapo, em Limoeiro de Anadia. Após terem suas reivindicações ouvidas, os moradores já percebem as melhorias resultantes das obras de drenagem, pavimentação e iluminação, entregues pela Prefeitura há cerca de um mês. Hoje, mais do que a reforma devidamente cumprida, a nova Rua José Anatólio Leite trouxe à comunidade uma série de mudanças de hábitos, com uma rotina mais segura, maior liberdade de locomoção e convivência.

Vivendo há 50 anos no Genipapo, o aposentado José Alves relata conhecer a rua da Caixa d’Água desde o período em que ‘tudo era mato’, literalmente. “Lembro quando pegávamos madeira para construir as casas”. Aos 76 anos, José Alves explica como era viver na localidade antes dos serviços realizados. “Em tempo de chuva, tínhamos que vir pela rua de trás e fazer toda uma volta. A água batia no joelho. Tinha gente que adoecia, pegava germes”.

Aposentado José Alves: maior convivência com rua iluminada e pavimentada.

Quem também sofreu sérios prejuízos com a antiga condição da rua foi a moradora Maria Lúcia da Silva. “Ficava tudo alagado. Certo dia cheguei em casa e o que fiz foi chorar. A água estava batendo no meu tornozelo. Acabou queimando o motor da minha geladeira. Meu filho, que mora na casa ao lado, também perdeu a dele. Perdi também uma cama e um guarda-roupa”, relembra.

Com uma floricultura situada em sua casa, na esquina entre AL-220 e a rua José Anatólio, Lúcia sentia os prejuízos também na fonte de renda. “Mesmo com pouca chuva, sempre acumulava água. Aqui na floricultura ninguém queria parar, porque se colocasse os pés aqui, afundava”, lembra. “Agora o rendimento aumentou de 40 para 80%, digamos assim”.

Engenheiro civil da Secretaria de Viação e Obras, Roany Izidoro, relata sobre o processo de reestruturação da antiga rua da Caixa d’Água.

De acordo com o engenheiro civil da Secretaria de Viação de Obras, Roany Izidoro, a rua da Caixa d’Água era bastante conhecida pelos problemas estruturais. “Tinha muita poça de lama, com água da chuva que descia da AL. Então efetuamos uma drenagem da água fluvial, construindo um trajeto para a travessia da água. Estamos estudando e executando para que essa água percorra até um lugar mais favorável”, relata.

Além da drenagem, a opção pelo calçamento intertravado também foi uma benfeitoria à parte. “Como a calçada é muito estreita, a topografia impossibilita que a calçada tenha o tamanho exigido pela ABNT, de modo que as pessoas precisam transitar pela pavimentação. Então foi escolhido o piso intertravado, por ser permeável e absorver melhor a água. Além do mais, demos a oportunidade para que uma indústria da própria cidade pudesse participar da licitação, possibilitando concorrência e fomentando a economia local”, esclarece.

E tudo começou mesmo com um bate-papo

Quem passa pela rua e observa todas essas mudanças sequer imagina que tudo começou com um bate-papo, ocorrido no mês de março deste ano. A conversa aconteceu durante evento organizado pelo prefeito Marcelo Rodrigues, no povoado de Genipapo, momento em que a população reivindicou a solução do problema diretamente com o gestor.

“Fomos bater um papo com a comunidade do Genipapo. Conversamos e traçamos todos os pontos e carências. As pessoas queriam resposta do poder público de forma imediata e, entre as várias demandas apresentadas, havia  essa reivindicação mais antiga do povo, e mais urgente, que era resolver o problema da antiga Rua da Caixa d’Água. Aquela é uma rua principal, que liga o povoado de Camadanta e várias outras ruas”, esclarece o prefeito Marcelo Rodrigues. “Prometi que no dia 1º de Abril iniciaríamos a obra. Quando ouvi os aplausos, perguntei se acreditavam mesmo, já que 1º de Abril era Dia da Mentira. E eles disseram que sim. E assim nós fizemos. Pouco mais de um mês depois, a rua foi inaugurada” .

Prefeito Marcelo Rodrigues com trabalhadores durante serviço de drenagem: fim do alagamento

Quase 30 dias depois da inauguração, a rua José Anatólio já passou por uma comprovação de que o pavimento está, de fato, à prova de água. “Estamos nesse período de fortes chuvas e a rua, que antes era muito complicada de transitar, está seca”, descreve o engenheiro.

“A amizade dobrou depois do calçamento”

Além da pavimentação da rua, outra mudança transformou a rotina da comunidade: a iluminação pública. Graças à nova iluminação de LED, os moradores que antes ficavam isolados em casa, quando a noite chegava, hoje dão mais um sentido à via pública para estreitar os laços de comunidade.

Iluminada e calçada, rua trouxe maior convivência entre moradores

Viúvo, José Alves mora sozinho, e assegura que a  movimentação noturna na rua e a aproximação da vizinhança aumentou. “Antes tinha uma luz lá embaixo, no fim da rua, e outra lá em cima. O resto era tudo escuro. Hoje a gente acha uma agulha à noite, no calçamento, de tão claro”, diz. “A gente senta ali fora, vem uma vizinha, vem o outro vizinho. A amizade dobrou depois do calçamento. Ninguém passava aqui antes, só se tivesse um negócio. Hoje todo mundo se encontra aqui e fica palestrando”.

Maria Lúcia confirma: “A gente não saía, com medo, porque era inseguro. Às 18h, todo mundo já estava de porta fechada. Hoje ficamos mais na rua, temos liberdade para sair, ir para a casa do vizinho bater um papo, sem medo”, declara.